Vale a pena parcelar a fatura do cartão de crédito?

O melhor a se fazer é o pagamento mínimo ou parcelar a fatura? Veja algumas dicas que podem te ajudar.

Postado em 16/01/2018.

É claro que o melhor mesmo é pagar a fatura do cartão de crédito de forma integral e sem atrasos. Quem não possui dinheiro suficiente para isto, a melhor alternativa é que se obtenha um empréstimo bancário com taxas de juros baixos, como por exemplo o crédito consignado, para quitar a fatura do cartão.

Em contrapartida, para quem não tiver muitas alternativas de crédito, e estiver com orçamento curto, aceitar propostas de parcelamento oferecidas pelo cartão poderá ser uma saída interessante ao invés de realizar o pagamento mínimo da fatura.

Vale a pena parcelar a fatura do cartão de crédito?

Muitas pessoas pensam que empréstimo é uma péssima solução, mas é importante pensar melhor nisto

Mesmo que muitas pessoas entendam que um empréstimo que tenha o Custo Efetivo total mais alto seja uma escolha péssima, a maioria das pessoas simplesmente se esquecem deste pequeno detalhe ao optar por uma forma de quitar a fatura do cartão de crédito, o que por incrível que pareça, apesar do parcelamento de fatura ter taxas de juros baixas, muitos optam por um pagamento parcial da fatura.

Quem realiza pagamentos parciais das faturas de cartão de crédito e não conta com outras fontes de renda para poder quitar a fatura integral, a melhor alternativa é procurar quitar a fatura de forma integral o quanto antes através da busca de um empréstimo com juros mais baixos. Nesta situação apenas em último caso, vale mais a pena aceitar a proposta de parcelamento de fatura.

Se no caso de pagar parcialmente a fatura e a quitar de forma integral já no próximo mês, ainda assim é muito melhor pegar um empréstimo por apenas um mês e quitar de forma integral a fatura. Em diversas situações, se você não tiver acesso a crédito consignado ou crédito pessoal, vale a pena utilizar o cheque especial, desde que as taxas de juros desta modalidade estejam baixas.

Pagar a fatura utilizando dinheiro proveniente de antecipação do IR ou do 13º salário

De certa forma, estas são algumas das modalidades de crédito pessoal, mas que estão vinculadas ao recebimento de restituição do imposto de renda ou mesmo de décimo terceiro salário. Normalmente este tipo de pagamento costuma ser feito em uma parcela única na data onde o Imposto de renda ou o décimo terceiro são depositados em conta corrente. Com isto as taxas de juros nesta modalidade costumam ser um pouco mais baixa do que as de crédito pessoal, mas porém mais altas do que as de crédito consignado. Sempre é importante pesquisar.

Se você porém for uma pessoa realmente disciplinada e não gastar sobras de dinheiro e lembrar de aplicar os mesmos todo o mês, ainda assim, com baixos juros de investimentos obtidos, as opções de crédito pessoal e crédito consignado podem ser utilizados por você com uma total segurança e a garantia de que não terá problema algum para lidar com o dinheiro.